Perfil:
Dhťbora, Laryssa, Isabella M.


Arquivos:

Amigos (0)::

POSTS

Avissoo! [2]
25/03/2011 às 13:37

 

Excluímos o primeiro aviso. Desculpa, mas ouve um erro.
No post colocamos que vamos parar de entrar nesse blog. Mas não conseguimos, foi aqui que começou tudo, não dá pra deixá-lo assim.
Entaããão galera fizemos sim um novo blog [www.novoblogbullying.blogspot.com] Mas vamos continuar com esse, tudo que será postado aqui, vamos postar lá, e vice-versa.
Então é isso, nãão vamos deixaaar esse o/

 



Comentários



Nova lei anti - bullying .
04/11/2010 às 11:44

Ap√≥s o epis√≥dio ocorrido na Para√≠ba, com LEI j√° instaurada no estado, propomos a mesma medida √† Nivel Nacional. Projeto consiste em: Par√°grafo √ļnico - Entende-se por bullying atitudes de viol√™ncia f√≠sica ou psicol√≥gica, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motiva√ß√£o evidente, praticadas por um indiv√≠duo (bully) ou grupos de indiv√≠duos, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimid√°-la ou agredi-la, causando dor e ang√ļstia √† v√≠tima, em uma rela√ß√£o de desequil√≠brio de poder entre as partes envolvidas. Artigo 2¬ļ - A viol√™ncia f√≠sica ou psicol√≥gica pode ser evidenciada em atos de intimida√ß√£o, humilha√ß√£o e discrimina√ß√£o, entre os quais: I- Insultos pessoais; II- Coment√°rios pejorativos; III- Ataques f√≠sicos; IV- Grafitagens depreciativas; V- Express√Ķes amea√ßadoras e preconceituosas; VI- Isolamento social; VII- Amea√ßas; VIII- Pilh√©rias. Artigo 3¬ļ - O bullying pode ser classificado em tr√™s tipos, conforme as a√ß√Ķes praticadas: I- Sexual: assediar, induzir e/ou abusar; II- Exclus√£o social: ignorar, isolar e excluir; III- Psicol√≥gica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, infernizar, Artigo 4¬ļ - Para a implementa√ß√£o deste programa, a unidade escolar criar√° uma equipe multidisciplinar, com a participa√ß√£o de docentes, alunos, pais e volunt√°rios, para a promo√ß√£o de atividades did√°ticas, informativas, de orienta√ß√£o e preven√ß√£o. Artigo 5¬ļ - S√£o objetivos do programa: I- Prevenir e combater a pr√°tica de bullying nas escolas; II- Capacitar docentes e equipe pedag√≥gica para a implementa√ß√£o das a√ß√Ķes de discuss√£o, preven√ß√£o, orienta√ß√£o e solu√ß√£o do problema; III- Incluir, no Regimento Escolar, ap√≥s ampla discuss√£o no Conselho de Escola, regras normativas contra o bullying; IV- Esclarecer sobre os aspectos √©ticos e legais que envolvem o bullying; V- Observar, analisar e identificar eventuais praticantes e v√≠timas de bullying nas escolas; VI- Discernir, de forma clara e objetiva, o que √© brincadeira e o que √© bullying; VII- Desenvolver campanhas educativas, informativas e de conscientiza√ß√£o com a utiliza√ß√£o de cartazes e de recursos de √°udio e √°udio-visual; VIII- Valorizar as individualidades, canalizando as diferen√ßas para a melhoria da auto-estima dos estudantes; IX- Integrar a comunidade, as organiza√ß√Ķes da sociedade e os meios de comunica√ß√£o nas a√ß√Ķes multidisciplinares de combate ao bullying; X- Coibir atos de agress√£o, discrimina√ß√£o, humilha√ß√£o e qualquer outro comportamento de intimida√ß√£o, constrangimento ou viol√™ncia; XI- Realizar debates e reflex√Ķes a respeito do assunto, com ensinamentos que visem a conviv√™ncia harm√īnica na escola; XII- Promover um ambiente escolar seguro e sadio, incentivando a toler√Ęncia e o respeito m√ļtuo; XIII- Propor din√Ęmicas de integra√ß√£o entre alunos e professores; XIV- Estimular a amizade, a solidariedade, a coopera√ß√£o e o companheirismo no ambiente escolar; XV- Orientar pais e familiares sobre como proceder diante da pr√°tica de bullying; XVI- Auxiliar v√≠timas e agressores. Artigo 6¬ļ - Compete √† unidade escolar aprovar um plano de a√ß√Ķes, no Calend√°rio da Escola, para a implanta√ß√£o das medidas previstas no programa. Artigo 7¬ļ - Fica autorizada a realiza√ß√£o de conv√™nios e parcerias para a garantia do cumprimento dos objetivos do programa. Artigo 8¬ļ - A escola poder√° encaminhar v√≠timas e agressores aos servi√ßos de assist√™ncia m√©dica, social, psicol√≥gica e jur√≠dica, que poder√£o ser oferecidos por meio de parcerias e conv√™nios. Artigo 9¬ļ - O Poder Executivo regulamentar√° esta lei no prazo de 90 (noventa) dias a contar da data da sua publica√ß√£o. Artigo 10 - Esta lei entra em vigor na data de sua publica√ß√£o

Comentários



Demi Lovato contra o Bullying
08/09/2010 às 14:35

 

Quem acha que Demi Lovato não sofreu bullying só porque é atriz do Disney Channel, cantora de grande potencial e famosa está muito enganado.

Demi comentou sobre o bullying que sofreu por ser atriz e sua luta contra ele para o NY Post. “Bullying é uma coisa muito séria para mim, eu testemunhei isso de primeira mão, eu sofria bullying quando tinha 12 anos.”

A cantora teen mostra que se importa com essas causas, e, inclusive, se juntou à campanha “Teens Against Bullying”, e, segundo ela, Madison, sua irmãzinha, ajudou a inspirá-la.”Elas está chegando nessa idade onde ela podia começar a se tornar insegura. Eu quero poder ajudar outras garotas em torno da idade dela a serem elas mesmas com uma forte confiança em sua pele, seu tamanho, quem elas são e tudo sobre elas mesmas. Ninguém quer pressão e quer ficar abaixo de uma lente de aumento, mas há caminhos para ser modelos de conduta sem alcançar a perfeição. Estou aprendendo e lidando com experiências que todas as adolescentes passam. O caminho que eu quero de ser um modelo não é por não cometer erros, mas por ajudar pessoas a superar as coisas dos obstáculos que eu superei. É assim como eu quero usar minha voz e é assim como eu quero ser um modelo.” Falou a estrela da Disney.



Comentários



Cyberbullying leva adolescente ao suicídio
14/08/2010 às 21:46

     "Acreditando nas falsas ofensas que lhe eram feitas através do site de comunicação 'My Space',a adolescente americana Megan Maier,de 13 anos,matou-se.
     Segundo sua mãe a vida dela não tinha sido fácil.Megan tinha dificuldade de fazer amigos e era muito sensível.Falava à sua mãe que se odiava e que pensava em suicídio.Seu médico receitou medicamentospara depressão e falou que a menina precisava de atenção.
     Após meses de insistência,a mãe de Megan concordou em pagar uma contado site My space.
     Megan começou a receber mensagens de um personagem fictício criado por sua vizinha e a filha.Aparentemente esse personagem queria ter um romance com Megan,mas logo ela começou a receber mensagens que a perseguiam,chamando-a de gorda,mentirosa,falsa e outros mais...
     Ela tentou reagir,se defender.Mas um dia falou para sua mãe ao telefone:'-Mãe,eles estão sendo horríveis comigo.'Depois de uma hora,Megan foi para o seu quarto e enforcou-se com um cinto.Sua mãe disse depois:'-Derrepente ela sentiu que não havia mais saída'
     A vizinha Lori Drew confessou que ela e sua filha haviam criado um personagem fictício,que fingia ter interesse em Megan,que acreditou.E foi aí que começou e terminou seu inferno"

     Essa notícia de Megan Maier saiu até em uma reportagem no New York Times no ano de 2007,esta noticia é só um exemplo do que pode causar o cyberbullying dependendo da pessoa com quem você está lidando.
     Por:Luisa e Isabela G.

    



Comentários